quinta-feira, 23 de julho de 2009

Elegia de 23 de Julho de 2009

O mundo ficou mais triste

depois que ela se foi.

Com sua leveza, sua inteligência,

sua percepção aguda das coisas,

dos homens, do espírito,

dos mistérios das coisas.

Junto com ela

se foi um pouco

de toda a alegria

e humor que há no mundo.

Perdemos um pouco da poesia

que havia aprendido com o maior de nossos poetas.

Perdemos uma irmã de luta, uma inconformada, uma nunca adequada,

uma artista que não se cansou nunca de experimentar, experimentamos juntos, graças a ela me entreguei ao culto do teatro ,

e ao humor como caminho de salvação.

Ela escolheu se retirar de cena

por não poder suportar mais

a mesquinharia de um mundo caduco.

Perdemos uma guia,

tão raros os guias,

que nos apontava sempre para a poesia,

para a possibilidade,

para a vida.

E como há tempos ficou chato ser moderno,

ela finalmente decidiu ficar eterna:

Eterna Duse Naccarati!

--

Rio Julho 2009,

Vitor Pordeus