segunda-feira, 16 de junho de 2008

quarta-feira, 4 de junho de 2008

Viva os nossos mestres brasileiros!



Maravilhoso, o mestre, um dos grandes inventores do teatro carioca, Amir Haddad. Na última leitura dramatizada/carnavalizada da peça "E Ainda Assim Se Move" de Flávio Braga e eu, Vitor Pordeus, no último dia 28 de Maio de 2008 no campus histórico da UFRJ na praia vermelha, Amir trouxe a vida o personagem Niel Weiss, outro mestre, guru inventor que foi inspirado no cientista brasileiro Nelson Vaz. Não é coincidência que o guru Amir tenha lido magicamente o guru Niel, os dois são profundos, libertadores, propõe o novo, desenvolvem para vales a ciência e a cultura do nosso país. São dois mestres que deviam ter mais espaço, mais dinheiro para trabalhar, serem mais ouvidos por todos nós, pois tem projetos, idéias, propostas revolucionários para a construção de um país autônomo, livre de ideologias externas colonizadoras, que arrasam nossa possibilidade de originalidade e liberdade intelectual. Vida longa e mais carinho, atenção e reconhecimento efetivo aos dois mestres-inventores da ciência da imunologia, Nelson Vaz, e da arte do teatro, Amir Haddad. Viva!!!